Taxa de desemprego fica em 7,5%, a menor para o trimestre desde 2014

A taxa de desemprego no Brasil no trimestre encerrado em abril caiu para 7,5%, o menor índice para este período desde 2014, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado é considerado estável em relação ao trimestre anterior, que terminou em janeiro de 2024, quando a taxa foi de 7,6%. Em comparação ao mesmo período de 2023, houve uma redução de 1 ponto percentual, passando de 8,5% para 7,5%.

A pesquisa do IBGE revela que a população desocupada, composta por pessoas que não estavam trabalhando e buscavam emprego, totalizou 8,2 milhões, um número praticamente inalterado em relação ao trimestre móvel anterior. No entanto, houve uma redução de 9,7% em comparação ao mesmo período do ano passado, representando 882 mil desocupados a menos.

O número de trabalhadores ocupados no Brasil alcançou 100,8 milhões, mantendo-se estável em relação ao trimestre encerrado em janeiro de 2024. Em comparação com o mesmo período de 2023, houve um aumento de 2,8%, o que equivale a 2,8 milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho.

Adriana Beringuy, coordenadora de Pesquisas Domiciliares do IBGE, destacou que o mercado de trabalho no Brasil continua apresentando sinais positivos. “Observamos uma redução contínua na taxa de desocupação e um aumento no número de trabalhadores ocupados”, afirmou. Beringuy também mencionou a influência de fatores sazonais, como a recuperação de empregos no comércio e a retomada de contratações no setor público, especialmente na saúde e educação básica.

Carteira Assinada e Informalidade

O número de trabalhadores com carteira assinada atingiu um recorde histórico, chegando a 38,188 milhões. O contingente de trabalhadores sem carteira assinada também atingiu um recorde, somando 13,5 milhões. A taxa de informalidade ficou em 38,7% da população ocupada, representando 39 milhões de trabalhadores informais, uma taxa próxima à do mesmo período de 2023.

“A informalidade ainda desempenha um papel significativo na composição da nossa população ocupada, mas tem se mantido relativamente estável nos últimos trimestres”, observou Beringuy.

Rendimento e Economia

O rendimento médio dos trabalhadores aumentou para R$ 3.151, registrando uma alta de 4,7% em 12 meses. Com isso, a massa de rendimentos, que é a soma das remunerações de todos os trabalhadores no país, atingiu R$ 313,1 bilhões, um recorde na série histórica e um aumento de 7,9% em comparação ao mesmo período de 2023. Segundo o IBGE, esse desempenho positivo se deve ao crescimento do emprego formal e à retomada de contratações no serviço público, especialmente no ensino fundamental.

Impactos de Calamidade

A pesquisa divulgada ainda não reflete os impactos das recentes calamidades causadas por temporais no Rio Grande do Sul. O IBGE está empenhado em continuar coletando informações na região afetada, mesmo diante dos desafios de acesso devido a danos em infraestrutura. “É essencial que a pesquisa continue para capturar os efeitos que a calamidade terá no mercado de trabalho local”, concluiu Adriana Beringuy.

A amostragem da PNAD abrange 221,3 mil domicílios visitados trimestralmente em todo o país, incluindo 12,4 mil no Rio Grande do Sul. Em áreas onde a coleta presencial não é possível, o IBGE está tentando contato por telefone para garantir a continuidade da pesquisa.

*Com informações de Agência Brasil

Taxa de desemprego no estado de SP diminui

O estado de São Paulo registrou taxa de desemprego de 7,4% no primeiro trimestre deste ano, menor que a nacional, que foi de 7,9%, e que a registrada na região Sudeste (7,6%). Além disso, de janeiro a março, o estado de São Paulo registrou taxa de desemprego 1,1% menor que a do mesmo período do ano passado (8,5%).

O percentual de empregados com carteira assinada entre os empregados do setor privado no estado ficou em 81,4% – terceiro maior percentual entre os estados e também maior que a taxa nacional, de 73,9%.

O total de pessoas ocupadas com carteira assinada no setor privado em São Paulo ficou em 11,458 milhões de pessoas – alta de 3,3% em relação ao mesmo trimestre do ano passado e de 0,3% ante o trimestre anterior. No país, o total de trabalhadores no regime CLT era de 37,984 milhões.

O total de pessoas ocupadas (incluindo trabalhadores do setor privado e público com e sem carteira assinada, domésticos, informais e por conta própria com CNPJ) no estado era de 24,219 milhões – alta de 1,9% em relação ao mesmo trimestre do ano passado. Segundo a Fundação Seade, do total de pessoas ocupadas, 55% são homens e 45% são mulheres. No país, eram 100,203 milhões.

Enquanto a taxa de informalidade para o Brasil ficou em 38,9% da população ocupada, em São Paulo foi de 31% – a terceira menor entre todas as unidades da Federação.

O número de desocupados no estado era de 1,931 milhão de pessoas – queda de 12,2% em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

Já o número de subocupados por insuficiência de horas trabalhadas (trabalhavam habitualmente menos de 40 horas; gostariam de trabalhar mais horas que o habitual ou estavam disponíveis para trabalhar mais horas) foi o menor entre os primeiros trimestres desde 2017: 858 mil pessoas.

Taxa por sexo, idade e grau de instrução

Por sexo, a taxa de desocupação no primeiro trimestre em SP ficou em 6,3% entre os homens e 8,7% entre as mulheres.

Já por idade, o indicador ficou menor entre trabalhadores acima de 40 anos:

14 a 17 anos: 36%
18 a 24 anos: 15,3%
25 a 39 anos: 6,6%
40 a 59 anos: 5%
60 anos ou mais: 3,2%
Veja ainda a taxa de desemprego entre todos os graus de instrução pesquisados em SP:
Sem instrução: 6,7%
Ensino fundamental incompleto: 7,8%
Ensino fundamental completo: 9,3%
Ensino médio incompleto: 15,4%
Ensino médio completo: 7,8%
Ensino superior incompleto: 9,2%
Ensino superior completo: 3,9%

Setores que geraram vagas

Os setores que mais geraram vagas no estado entre as pessoas ocupadas foram Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas e Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas. Veja abaixo:

Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas: 4,352 milhões
Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas: 4,212 milhões
Indústria geral: 3,752 milhões
Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais: 3,725 milhões
Construção: 1,649 milhão
Transporte, armazenagem e correio: 1,644 milhão
Serviços domésticos: 1,410 milhão
Outros serviços: 1,393 milhão
Alojamento e alimentação: 1,390 milhão
Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura: 690 mil

Rendimento

Enquanto no Brasil o rendimento médio mensal foi de R$ 3.123 no primeiro trimestre, no estado de São Paulo ficou em R$ 3.821 – alta de 5,5% ante o primeiro trimestre de 2023 (R$ 3.622) e de 1,3% em relação ao quarto trimestre (R$ 3.771).

O rendimento de São Paulo é maior ainda que a média do Sudeste (R$ 3.547) e que dos estados que compõem a região: Rio de Janeiro (R$ 3.694), Espírito Santo (R$ 3.124) e Minas Gerais (R$ 2.886). Entre todas as unidades da Federação, SP só tem rendimento menor que o do Distrito Federal (R$ 5.067).

Novas regras podem taxar compras internacionais em 92%

A AliExpress, em comunicado recente, expressou sérias preocupações sobre o novo Programa Mover, proposto pelo deputado Atila Lira (PP-PI), que pode estabelecer a maior taxa para importados do mundo. Caso o Projeto de Lei 914/2024 seja aprovado, compras internacionais podem ser taxadas em 92%.

A plataforma de e-commerce internacional destacou o impacto negativo que a medida terá especialmente sobre os consumidores de menor poder aquisitivo. “A mudança afetará significativamente a população mais pobre, que depende das plataformas de e-commerce internacional para adquirir uma variedade de bens a preços acessíveis”, afirmou a AliExpress.

O Programa de Mobilidade Verde e Inovação (Mover), proposto pelo deputado, visa igualar as condições entre produtos importados e nacionais. No entanto, o PL não afetará a tributação de produtos importados através de viagens internacionais, permitindo que viajantes tragam até R$ 5 mil em produtos isentos de impostos a cada 30 dias.

A proposta, aprovada em requerimento de urgência no início do mês, também reinstitui a cobrança do Imposto de Importação para valores abaixo de US$ 50.

Possível Extinção do Programa Remessa Conforme

Desde agosto do ano passado, o Programa Remessa Conforme isentava de imposto de importação todas as compras internacionais de até US$ 50 (aproximadamente R$ 256 na cotação atual), acrescentando apenas o ICMS de cerca de 17% em todo o país. No entanto, sem uma alternativa apresentada pelo Governo Federal dentro do prazo estipulado, a Câmara dos Deputados pode encerrar este benefício.

“A AliExpress continua disponível e colaborativa com o governo brasileiro e outros setores envolvidos para trabalhar juntos, focando no que é mais importante: o consumidor brasileiro”, declarou a plataforma. A empresa apontou que o Programa Remessa Conforme teve um aumento de arrecadação de 243% em relação a 2023, enfatizando a necessidade de um debate mais aprofundado sobre a tributação de compras internacionais.

Recorde de bilionários em 2024 revive debate sobre taxação de fortunas

Em 2024, o número de bilionários no mundo atingiu um novo recorde: 2.781 pessoas acumulam um patrimônio total de US$ 14,2 trilhões, valor que representa 6,5 vezes o PIB do Brasil em 2023 (US$ 2,17 trilhões). Esse seleto grupo compõe apenas 0,0000003% da população mundial. Apesar de propostas para taxá-los não serem novidade, uma nova sugestão ganha força. Na última reunião do G20, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, propôs uma taxa de 2% sobre as fortunas dos bilionários, que atualmente pagam em média apenas 0,5%, menos do que muitos cidadãos comuns.

Pedro Henrique Forquesato, professor da Faculdade de Administração, Economia, Contabilidade e Atuária (FEA) da USP, comentou sobre a viabilidade da proposta, que pode enfrentar resistência. Ele explica que a medida depende do apoio de grandes economias, como Estados Unidos, China e União Europeia. Forquesato destaca que a atual “corrida para o fundo do poço” — onde países competem para reduzir impostos e atrair riqueza — pode ser amenizada com uma taxação global mínima, diminuindo a fuga de fortunas. Segundo Haddad, a arrecadação estimada de US$ 250 bilhões anuais seria direcionada a ações contra a fome e transição para uma economia sustentável. Embora a medida possa não trazer mudanças estruturais imediatas, Forquesato acredita que ajudaria a conter a crescente desigualdade de riqueza, comparando o cenário atual ao período pré-Primeira Guerra Mundial.

Taxa de desemprego fica em 7,8% no trimestre encerrado em fevereiro

A taxa de desemprego, medida pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, ficou em 7,8% no trimestre encerrado em fevereiro deste ano. A taxa é superior aos 7,5% registrados no trimestre imediatamente anterior (encerrado em novembro de 2023). Por outro lado, ficou abaixo dos 8,6% do trimestre findo em fevereiro do ano passado. 

Pesquisa foi divulgada nesta quinta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A população desocupada ficou em 8,5 milhões, alta de 4,1% na comparação trimestral (ou seja, com novembro de 2023) e queda de 7,5% na comparação anual (ou seja, com fevereiro do ano passado).

A população ocupada (100,25 milhões) manteve-se estatisticamente estável no trimestre, mas cresceu 2,2% no ano.

Botafogo pode ganhar taxa de R$ 1.4M se passar para a segunda fase da Copa do Brasil

O Botafogo está prestes a iniciar sua jornada na Copa do Brasil 2024, com uma partida marcada para hoje, 20, às 20 horas, na cidade de Águia Branca, situada a 215 km de Vitória, no estado do Espírito Santo, enfrentando a equipe do Nova Venécia.

Por pertencer à série B do campeonato nacional, o time de Ribeirão Preto já assegurou uma significativa cota de R$ 1.312.500,00 para este jogo. Uma vitória ou mesmo um empate, que lhe garante a passagem para a segunda fase, significa uma cota ainda maior, totalizando R$ 1.470.000,00.

A Copa do Brasil, renomado torneio nacional, se destaca pelo alto valor das premiações oferecidas aos participantes. Enquanto isso, o Botafogo, enfrentando uma fase irregular no campeonato paulista da série A1, com apenas oito pontos e ocupando a última posição do Grupo D, busca reverter sua situação desfavorável, buscando um resultado positivo contra o time Capixaba.

Apesar dos desafios enfrentados e da sequência de quatro derrotas consecutivas, o Botafogo mantém otimismo para o jogo, tendo em mente seu desempenho na edição anterior da Copa do Brasil, quando chegou à terceira fase, antes de ser eliminado pelo Santos F.C. Agora, o time busca superar suas dificuldades atuais e almeja uma trajetória mais promissora no torneio.

Enem dos Concursos serão descentralizadas e realizados em 220 cidades

A ministra da Gestão e Inovação, Esther Dweck, revelou em coletiva nesta quarta-feira, 10, a iniciativa de descentralização do Concurso Público Nacional Unificado, conhecido como “Enem dos Concursos”. O principal objetivo é promover maior diversidade no serviço público, atingindo candidatos que enfrentam dificuldades para deslocar-se até Brasília, onde tradicionalmente ocorriam as provas.

A seleção, com provas marcadas para o dia 5 de maio em 220 cidades do país, busca oferecer oportunidades de forma simultânea em diversas localidades. O edital, previsto para ser publicado ainda hoje, disponibilizará 6.640 vagas em 21 órgãos federais. As inscrições terão início em 19 de janeiro e se encerrarão em 6 de fevereiro.

A banca responsável pelo concurso será a Fundação Cesgranrio, com as inscrições realizadas no Portal Gov.br. O valor da taxa de inscrição será de R$ 60 para nível médio e R$ 90 para nível superior, possibilitando aos candidatos concorrerem a vagas em diferentes órgãos federais dentro do mesmo bloco temático. O concurso prevê reserva de vagas para pessoas negras, pessoas com deficiência e indígenas. O cronograma detalhado estabelece a divulgação final dos resultados em 30 de julho, com convocações iniciando em 5 de agosto.