Preço vai baixar? Governo estabelece parceria com produtores para regular preços do arroz

O governo federal firmou um acordo com produtores e a indústria do arroz para acompanhar e regular os preços e o abastecimento do grão em todo o Brasil. O acordo foi formalizado na quarta-feira (03), com a presença dos ministros da Agricultura, Carlos Fávaro, e do Desenvolvimento Agrário (MDA), Paulo Teixeira, além do presidente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Edegar Pretto.

De acordo com Andressa Silva, diretora executiva da Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz), os compromissos incluem garantir uma oferta contínua de arroz e preços justos em toda a cadeia, além de manter estoques em centros consumidores e desenvolver alternativas para garantir o abastecimento em áreas mais vulneráveis.

Como parte do acordo, o governo se comprometeu a não realizar leilões para importação do grão, apesar da medida provisória que permite essas importações ainda estarem em vigor até setembro. “O Senado prorrogou a medida provisória por mais 60 dias, portanto, a possibilidade de leilão ainda existe. Contudo, com o novo compromisso, esperamos não precisar recorrer a essa opção”, explicou o presidente da Conab em um vídeo publicado em suas redes sociais após o acordo.

Alexandre Velho, presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), ressaltou que a abertura de diálogo com o governo foi crucial para esclarecer questões do mercado de arroz. “Discutimos os grandes riscos de continuar com a ideia de importações massivas ou a realização de leilões, o que poderia criar insegurança no setor e ameaçar a área plantada para a próxima safra. Vamos orientar os produtores para que abasteçam a indústria e garantam a estabilidade no fornecimento ao consumidor”, disse Velho.

COMO SERÁ FEITO O MONITORAMENTO?

Durante a reunião, foi decidido que a Câmara Setorial do Arroz estabelecerá um grupo de trabalho, em colaboração com a Conab, para acompanhar o mercado do grão. A Câmara Setorial, um órgão consultivo do Ministério da Agricultura composto por entidades do setor privado, realizará levantamentos semanais de preços. Se forem identificadas altas, a Conab comunicará a Câmara Setorial, que mobilizará o setor produtivo e a indústria para corrigir a situação.

O governo, através do Ministério da Agricultura (Mapa), do MDA e da Conab, trabalhará em conjunto com o setor para manter o arroz a preços acessíveis para o consumidor. “Em caso de aumento dos preços do arroz, serão tomadas medidas para controlar a situação”, afirmou o presidente da Conab.

Recorde marca o melhor semestre da história do comércio exterior para o agro

Em apenas seis meses de 2024, o Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) abriu 72 novos mercados para produtos agrícolas brasileiros no comércio mundial, beneficiando 30 países. O número supera recordes anteriores e é maior do que o registrado durante todo o ano de 2019 e 2022, que tiveram 35 e 53 novas aberturas, respectivamente.

Junho foi o mês que mais contribuiu para tornar este o melhor semestre da história para o comércio exterior da agropecuária brasileira. Ao longo do mês, foram abertos 26 mercados em 13 países, correspondendo a 32% de todas as aberturas realizadas no ano.

“O Brasil é a bola da vez para produtos de qualidade. Batemos todos os recordes de abertura de mercados – 18 meses, um ano e meio de governo Lula -, 150 mercados abertos para produtos da agropecuária brasileira”, ressalta o ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro.

As aberturas de 2024 já contemplam todos os continentes: África (6) – África do Sul, Botsuana, Lesoto, Nigéria, Zâmbia e Egito; Ásia (13) – Arábia Saudita, Armênia, Butão, Cazaquistão, China e Hong Kong, Coreia do Sul, Filipinas, Índia, Omã, Paquistão, Quirguistão, Singapura e Turquia; Europa (3) – Belarus, Rússia e Grã-Bretanha; Oceania (1) – Austrália; e Américas (7) – Canadá, México, Estados Unidos, El Salvador, Costa Rica, Colômbia e Peru.

PRODUTOS

Entre os principais produtos que tiveram acordos nos requisitos sanitários e fitossanitários estão pescados de cultivo e derivados, sementes de hortaliças, suínos vivos e seus derivados, carne suína, pescados, gelatina e colágeno de várias origens, proteínas processadas de aves, produtos à base de camarões, embriões bovinos, sêmen bovino, alevinos de tilápia, peixes ornamentais, carne e produtos cárneos de ovinos, extrato de carne bovina, café verde, ovos e milho não transgênico.

NÚMEROS

A expansão de mercados internacionais também tem impulsionado as exportações brasileiras, com o agronegócio representando 49,6% do total nos primeiros cinco meses do ano, gerando US$ 67,17 bilhões em receita.

“Atendendo ao pedido do presidente Lula e do ministro Fávaro, temos trabalhado incansavelmente e dialogado com diversos países para oferecer ainda mais oportunidades aos produtores rurais, facilitando a exportação e aumentando a competitividade dos produtos brasileiros no mercado global”, destacou o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Mapa, Roberto Perosa.

Evolução dos Mercados e Países Atendidos (2019-2024)

2019: 35 mercados | 18 países

2020: 74 mercados | 24 países

2021: 77 mercados | 33 países

2022: 53 mercados | 26 países

2023: 78 mercados | 39 países

2024: 72 mercados | 30 países (até o momento)

Agrishow gerou impacto econômico de R$ 273 milhões

A Agrishow, maior feira de tecnologia agrícola da América Latina, encerrou suas atividades na última sexta-feira, 3, com números impressionantes. De acordo com o Centro de Inteligência da Economia do Turismo (CIET), ligado à Secretaria de Turismo e Viagens de SP (Setur-SP), estima-se que o evento tenha gerado um impacto econômico direto e indireto de R$ 273,2 milhões. Essa cifra inclui gastos com hospedagem, transporte, alimentação, compras e entretenimento, demonstrando o significativo potencial do agronegócio não apenas na região, mas em todo o país.

A análise do perfil do público revelou características marcantes: a maioria dos visitantes era do sexo masculino (67%), possuía curso superior completo (63,2%) e apresentava uma renda média de R$ 11 mil. Aqueles que vieram de outras cidades para prestigiar o evento permaneceram em média dois dias na feira, gastando cerca de R$ 935 durante esse período. Em contrapartida, os moradores locais desembolsaram em média R$ 251.

Roberto de Lucena, secretário de Turismo e Viagens de SP, comemorou os resultados, destacando a importância do evento para a região. Além do impacto econômico, a Agrishow também atraiu visitantes interessados não apenas nas novidades tecnológicas do setor agrícola, mas também nas atrações culturais e gastronômicas da região. Com um alto índice de satisfação entre os participantes (nota 79), o evento reforça o potencial do turismo como impulsionador da economia local e gerador de empregos.

Agrishow 2024 bate recorde de negócios em Ribeirão Preto

A 29ª edição da Agrishow, que encerra suas atividades nesta sexta-feira, 3 de maio, em Ribeirão Preto, registrou um volume recorde de R$ 13,608 bilhões em intenções de negócios, especificamente no setor de máquinas e implementos agrícolas. Esse número representa um crescimento de 2,4% em comparação com a edição anterior, quando foram registrados R$ 13,290 bilhões em negócios.

Apesar dos desafios enfrentados pelo setor, como o clima desfavorável, altas taxas de juros e escassez de recursos, a Agrishow 2024 superou as expectativas. Com cerca de 195 mil visitantes, a feira atraiu produtores rurais de pequenas, médias e grandes propriedades de todas as regiões do Brasil e do exterior.

“A mobilidade e a infraestrutura da feira foram alguns dos destaques, que permitiram aos visitantes uma melhor experiência, principalmente para aqueles que compõem a agricultura familiar – público ao qual se atribuiu grande parte do crescimento da Agrishow 2024”, afirmou João Marchesan, presidente da Agrishow.

Para o próximo ano, as expectativas são ainda maiores. A Agrishow 2025 está programada para acontecer entre 28 de abril e 2 de maio, com a perspectiva de fortalecer ainda mais o agronegócio brasileiro.

Ribeirão Preto estreita laços econômicos com Taiwan na Agrishow

A 29ª edição da Agrishow entrou na reta final, mas continua sendo palco de grandes negociações e contatos comerciais. Na manhã desta quinta-feira, 2, o Prefeito Duarte Nogueira recebeu, no stand da prefeitura montado na feira, uma comitiva de Taiwan, composta pelo Superintendente do Escritório Econômico e Cultural de Taipei, Kaung Jong Fong, a Diretora, Isabel Hsu, e a Secretária de Economia Rosalinda Chen.

Durante o encontro, o superintendente Kaung Jong Fong destacou a força econômica de Taiwan no ramo do agronegócio, destacou as feiras voltadas ao setor que acontecem no país e demonstrou o desejo de estreitar laços econômicos com Ribeirão Preto, abrindo as portas para futuras negociações e trocas de conhecimentos para o crescimento de ambas economias.

“Nosso objetivo com essa reunião é consultar a opinião do prefeito sobre possibilidades de cooperação entre Taiwan e Brasil e ter a oportunidade de conhecer a feira que, para nós, é um modelo a ser seguido”, afirmou o superintendente Kaung Jong Fong.

Durante a reunião foram debatidos assuntos como o avanço das tecnologias voltadas ao agronegócio e a realização da maior feira de agronegócio da América Latina, em Ribeirão Preto. Também foram abordadas propostas de intercâmbio e bolsas de estudos entre empresários, empreendedores, médicos, professores e jovens estudantes de Ribeirão Preto em Taiwan.

“A gente tem que intensificar as relações diplomáticas e comerciais entre o Brasil e Taiwan para benefício não só do setor socioeconômico, mas, também para continuarmos compartilhando coisas positivas. Sempre que a gente visita uma feira de tecnologia, não vemos só a parte da inovação digital. A gente vê as consequências da boa aplicação para os serviços públicos, para qualidade de vida, segurança, mobilidade, saneamento básico, destinação final dos resíduos. Estamos sempre aprendendo. A visita de vocês é muito gratificante”, afirmou o Prefeito Duarte Nogueira.

Taiwan é considerado uma potência econômica oriental, com destaque na produção de bens de alta tecnologia. Porém, devido as condições geográficas, o país é altamente dependente da importação de recursos naturais. O Brasil é um dos exportadores de soja para o país oriental.

Agrishow pode receber mais de 195 mil visitantes durante a semana

Começou nesta segunda-feira, 29, a partir das 8h, a 29ª edição da Agrishow em Ribeirão Preto. Os organizadores estimam receber mais de 195 mil visitantes até sexta-feira, 3, vindos de mais de 50 países. A feira é reconhecida como o principal evento do segmento na América Latina.

Ingressos e Estacionamento

Os ingressos podem ser adquiridos no site da feira pelo valor de R$ 70,00, com a opção de escolher o dia da visita. Na bilheteria, o preço diário é de R$ 120,00. O estacionamento também pode ser reservado antecipadamente por R$ 60,00 para carros e motos, e R$ 100,00 para vans, micro-ônibus e ônibus. Durante o evento, o acesso para carros e motos custa R$ 65,00.

Tráfego e Rotas Alternativas

A concessionária responsável pela rodovia Antônio Duarte Nogueira (SP-322), local da feira, prevê um aumento significativo no tráfego, com até 10 mil veículos a mais por dia, nos dois sentidos. A Prefeitura de Ribeirão Preto sugeriu cinco rotas alternativas para acesso à Agrishow. A feira ampliou as áreas de estacionamento e otimizou acessos, incluindo novas saídas para melhorar o fluxo na rodovia e em vias adjacentes.

Cafú marcará presença na Agrishow 2024 em Ribeirão Preto

O ex-jogador de futebol Cafú está confirmado para marcar presença na 29ª edição da Agrishow, que começa hoje, 29, em Ribeirão Preto. O atleta, campeão do mundo pela seleção brasileira, é uma das personalidades que prestigiarão a feira agrícola.

Cafú participará da feira nesta segunda-feira, 29, realizando uma ativação em um estande de uma empresa líder em equipamentos para manutenção de áreas verdes. Além do ex-lateral direito, políticos e outras personalidades também estarão presentes no evento, que é considerado o maior do setor agrícola no Brasil e um dos principais do mundo.

Entre os convidados está o ex-presidente Jair Bolsonaro, cuja presença está confirmada para o primeiro dia da feira. O ministro da Agricultura e Pecuária, Carlos Fávaro, também é aguardado para a cerimônia de abertura, que acontecerá no domingo, dia 28, em um evento que promete ser marcante.

Desafios no controle do bicudo da cana-de-açúcar

O cultivo da cana-de-açúcar é uma atividade de grande importância econômica em mais de 100 países ao redor do mundo. No entanto, é no Brasil que esse setor se destaca, sendo o maior produtor global, com uma movimentação financeira que ultrapassa os R$ 100 bilhões anualmente.

Para garantir uma produtividade satisfatória nesse cultivo, é crucial enfrentar desafios como o bicudo da cana (Sphenophorus levis), uma das pragas mais prejudiciais ao canavial. Estima-se que essa praga possa reduzir a produção em até 25 toneladas de cana por hectare por safra, ou seja, a cada 1% de toco atacado, os danos chegam a 1,6 toneladas de cana por hectare.

Maurício Oliveira, gerente de marketing regional da FMC, ressalta que os prejuízos causados pelo bicudo vão além da quantidade de cana perdida. Essa praga diminui a população de plantas e a longevidade do canavial, afetando diretamente a receita do produtor. Em áreas com alta infestação, o número de colheitas pode ser reduzido pela metade.

A disseminação do bicudo ocorre principalmente por meio das cargas de cana destinadas às mudas, colhedoras mal higienizadas e implementos agrícolas sujos. Essa praga já ultrapassou as fronteiras de São Paulo, principal região produtora do país, e pode ser encontrada também em Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Uma característica preocupante do bicudo é sua ocorrência ao longo de todo o ano, com picos de atividade durante períodos específicos. Por isso, é essencial que os agricultores adotem um manejo adequado para interromper o ciclo da praga em diferentes épocas do ano.

Agrishow traz ferramenta de inteligência artificial inédita no Brasil

A Agrishow, um dos maiores eventos de agronegócio do país, sediado em Ribeirão Preto, receberá uma inovação tecnológica inédita no Brasil. A partir do próximo domingo, 28, a feira abrirá suas portas para apresentar ao público uma ferramenta de Inteligência Artificial (IA) desenvolvida pela Syngenta, empresa líder em proteção de cultivos.

A tecnologia, integrada à plataforma de agricultura digital Cropwise, já presente há cinco anos no país e abrangendo cerca de 100 milhões de hectares em todo o mundo, promete revolucionar o setor agrícola brasileiro.

De acordo com Feroz Sheikh, líder global de agricultura digital da Syngenta, a escolha do Brasil para a estreia desse produto se deve à visão da empresa de que o país é um dos líderes mundiais em termos de sustentabilidade e avanço tecnológico no agronegócio.

Com um investimento significativo de 10% do faturamento anual da Syngenta em pesquisa e desenvolvimento, que alcançou US$ 32,2 bilhões em 2023, a empresa enxerga no mercado brasileiro um potencial incomparável de crescimento e adoção de inovações.

Sheikh ressalta que os produtores brasileiros estão cada vez mais abertos a adotar novas tecnologias, o que torna o país um terreno fértil para o desenvolvimento e implementação de soluções como a ferramenta de IA apresentada pela Syngenta.

A proposta da Inteligência Artificial é possibilitar análises preditivas que impulsionem a produtividade, a sustentabilidade e a eficiência das operações agrícolas, permitindo aos agricultores tomarem decisões mais assertivas em um cenário desafiador de preços baixos de commodities e quebras de safra.

Diante desse contexto, a Syngenta reforça seu compromisso em auxiliar os agricultores a tomarem as melhores decisões, seja no momento adequado para aplicação de produtos químicos no campo, seja nas escolhas relacionadas aos preços das commodities, visando sempre a otimização da lucratividade e da sustentabilidade das lavouras.

29ª edição da Agrishow terá mudanças de acesso e novos espaços

Ampliação da estrutura e melhorias no acesso à feira foram ações anunciadas pelos organizadores da 29ª Agrishow, em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira, 3. Os representantes do maior evento da América Latina em tecnologia de agricultura em movimento anunciaram que esperam igualar ou superar o número de negócios gerados durante a feira em 2023, quando foi alcançada a marca de R$ 13,29 bilhões em vendas de máquinas agrícolas, de irrigação e de armazenagem.

Em uma área de aproximadamente 600 mil metros e mais de 800 marcas presentes entre nacionais e internacionais, cerca de 100 a mais em relação ao ano anterior, a feira alcançou os limites territoriais do espaço que ocupa e um público recorde de aproximadamente 200 mil pessoas. Novos investimentos em estrutura foram feitos para a nova edição, dentre eles a construção de novos sanitários e adequação dos banheiros já existentes; instalação de novos food trucks; pontos de hidratação; wi-fi free acessado pelo aplicativo da Agrishow e, principalmente, novos acessos à feira, que contribuem para melhoria do congestionamento causado durante os cinco dias de feira.

A abertura do evento também sofreu mudanças, já que o evento passa a acontecer no domingo, dia 28 de abril, reunindo expositores e autoridades. O presidente da feira, João Carlos Marchesan, falou sobre a expectativa positiva para a nova edição. “Esperamos para este ano, pelo menos o mesmo valor registrado no ano passado”, disse Marchesan, ressaltando os investimentos no evento neste ano.

Já o prefeito, Duarte Nogueira, ressaltou que a Agrishow se tornou um dos mais importantes eventos da cidade, tanto na geração de empregos, que supera a marca dos 7 mil, como na movimentação econômica, já que serão injetados no comércio e serviço local, cerca de R$300 milhões. “Durante a edição do último ano, 100% das hospedagens no segmento foram ocupadas no município. Nas cidades da região, o percentual atingiu 80%, além das hospedagens geradas por plataformas de aluguel de casas. Em relação a pousos e decolagens, o aumento foi de 307% em relação a dias normais, conforme a gestão do aeroporto Leite Lopes”.

“A Agrishow é a vitrine do Brasil que funciona, que produz alimentos e energia renovável, que são os dois binômios que o planeta persegue: alimento e energia. Nós brasileiros, agricultores e produtores, alimentamos a população brasileira, além de 800 milhões de pessoas que dependem da agricultura nacional. Por isso, a feira é do Brasil e do mundo e serve mais uma vez para compartilhamos esse salto tecnológico com o mundo”, afirma Nogueira.