Cartilha traz orientações sobre responsabilidade das agências de turismo na compra de passagens

Os turistas agora contam com um novo material para ajudar em suas viagens pelo Brasil: a cartilha “Comprou sua Passagem em uma Agência de Turismo?”. Fruto de uma parceria entra a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) em parceria com a Associação Brasileira de Agência de Viagens (ABAV), o documento tem o objetivo de esclarecer dúvidas dos consumidores sobre quais são as responsabilidades das agências e traz dicas e assuntos referentes às empresas de aviação.

CLIQUE AQUI e acesse a Cartilha

No Brasil, grande parte das passagens aéreas é vendida por intermédio de agências de turismo. Por isso, a Cartilha traz informações sobre a quem o passageiro deve recorrer em situações como solicitação de assistência especial, alterações na viagem, cancelamento de voos e problemas com a bagagem. O material funciona também como informativo aos agentes de turismo para ofertar o melhor serviço aos clientes.

CADASTUR – Segurança e qualidade nos serviços são, de fato, itens essenciais para que a experiência turística seja ainda mais proveitosa. Por isso, o turista conta com o Cadastur. A plataforma é uma ferramenta que tem como objetivo promover a regularização de todos os estabelecimentos turísticos do país.

Só no primeiro semestre de 2023, o Cadastur bateu recorde de regularização de estabelecimentos turísticos e agora conta com 153.415 locais cadastrados, apontando 57,13% de crescimento em quatro anos.

Com o Cadastur, o turista pode consultar informações sobre guias de turismo, acampamentos turísticos, agências de turismo, meios de hospedagem, organizadoras de eventos, parques temáticos e transportadoras turísticas (todos eles têm a obrigatoriedade de estarem cadastrados como forma de regularização).

Além disso, podem se cadastrar, de forma optativa casas de espetáculo, centros de convenções, empreendimentos de entretenimento, lazer e parques aquáticos, bem como de apoio ao turismo náutico ou à pesca desportiva e, ainda, locadoras de veículos para turistas, prestadoras de serviços de infraestrutura para eventos, prestadoras especializadas em segmentos turísticos e restaurantes, cafeterias, bares e similares.

Por Nayara Oliveira
Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo 

Setor aéreo movimenta 7,2 milhões de passageiros em junho e tem o melhor mês em 8 anos

O setor aéreo segue crescendo em 2023 e movimentando o turismo em todo o país! Dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), divulgados nesta sexta-feira (21.07), apontaram que 7,2 milhões de passageiros voaram pelo Brasil em junho. O resultado é o melhor para o mês desde 2015, superando em 7,5% a movimentação registrada em no mesmo período de 2019. No acumulado do ano, o número de viajantes no mercado doméstico chegou a 43,8 milhões, alta de 15% em relação ao primeiro semestre de 2022.

O ministro do Turismo, Celso Sabino, celebrou o número e destacou a importância deste crescimento apresentado pelo setor, que é um dos principais meios de transportes de turistas no país. “Esse aumento na movimentação demonstra o poder do Turismo e dos impactos positivos da atividade na economia local. Nossa meta é conectar destinos, receber visitantes com carinho, construindo, desta forma, experiências memoráveis para quem visita o Brasil, consolidando nosso país como um destino turístico de excelência”, pontuou.

Um levantamento da Pasta, também divulgado nesta sexta, mostrou que a movimentação do número de passageiros nos principais aeroportos do país cresceu no primeiro semestre deste ano. No terminal de Viracopos (SP), por exemplo, o número atingiu um recorde histórico para o período, com a movimentação de mais de 6,2 milhões de passageiros – alta de 13,08% em comparação a 2022. Outro destaque foi o aeroporto de Aracaju (SE): o terminal registrou alta de 24,7% e mais de 558 mil passageiros.

No Rio de Janeiro, o aeroporto Santos Dumont ultrapassou os 5 milhões de passageiros no período, alta de 31,5%. O número também foi 28,7% maior do que o registrado em 2019, no pré-pandemia. Em João Pessoa (PB), a alta foi de 19% e teve destaque no mês de junho, com a realização do Maior São João do Mundo, em Campina Grande (PB). O estado recebeu quase 130 mil turistas, um recorde histórico.

Congonhas (SP) e Guarulhos (SP) também apresentaram alta no período. O primeiro aeroporto ultrapassou a marca de 10,1 milhões de passageiros – alta de 27,3%. Já o segundo, chegou a 19,4 milhões de pessoas, um crescimento de 24,5%. Em Campo Grande (MS), 751,4 mil passageiros passaram pelo terminal da capital sul-mato-grossense, número 21,3% maior.

Na região Norte, o aeroporto e Marabá (PA) cresceu mais de 30%. Manaus (AM) recebeu mais de 1,26 milhão de passageiros, quantitativo 3,23% maior. No Sul do país, Florianópolis (SC) teve quase 2 milhões de passageiros passando em seu terminal, uma expansão de 19% no período.

SETOR AÉREO – O Ministério do Turismo estima mais de 4,2 mil voos extras pelo país somente em julho, mês de férias escolares. A região que mais deve receber voos no período é o Nordeste, conhecido por sua extensa costa litorânea e destinos paradisíacos. O número de voos deve ser, em média, 15% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado.

Já no setor rodoviário, a estimativa é de mais de 4 milhões de passageiros, número 8% maior do que o pré-pandemia e 2,5% maior do que o ano de 2022. Entre os destinos mais buscados, destacam-se os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Por Victor Maciel

Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo

Em maio, Turismo brasileiro tem alta de 7,1%, aponta FecomércioSP

Mais uma boa notícia para o turismo brasileiro: pesquisa realizada pelo Conselho de Turismo da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aponta que, em maio de 2023, o setor de viagens teve um crescimento anual de 7,1%, e um faturamento de R$ 18,2 bilhões. Com o dado, o turismo apresenta o 26º mês consecutivo de variação positiva e, no acumulado do ano (de janeiro a maio), a alta foi de 13,6%.

Os dados levam em conta os serviços de alojamento e alimentação; atividades culturais, recreativas e esportivas, locação de meios de transporte, agência de turismo, operadoras e outros serviços de turismo, transporte terrestre, aquático e aéreo.

O número positivo foi trazido principalmente pelo transporte aéreo. Em maio deste ano, o faturamento do segmento foi de R$ 5,88 bilhões, o que representa uma alta de 12% na comparação ao mesmo período de 2022. O número de passageiros transportados por aeronaves já supera o nível pré-pandemia (2019). Em maio, foram 7,29 milhões de passageiros, o mais alto desde 2015, segundo levantamento a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Já o grupo de transporte terrestre apontou um crescimento de 0,8% e faturou R$ 2,94 bilhões.

REDUÇÃO DA TARIFA – Além do aumento da oferta, a redução da tarifa média, que passou de quase R$ 700, no ano passado, para R$ 550, em maio de 2023, impacta diretamente o setor. Na avaliação da FecomércioSP, a tendência é de continuidade do crescimento nos próximos meses, uma vez que há condições mais favoráveis para os investimentos das companhias, com combustível e dólar relativamente mais baratos.

SETORES – Ainda segundo o levantamento, o grupo de alojamento e alimentação segue crescendo, com variação de 6,4% em maio, um faturamento de R$ 5,2 bilhões. A taxa de ocupação hoteleira no país passou de 54,11% (entre janeiro e abril de 2022) para 58,04% no mesmo período deste ano. Outros setores também passam por um momento positivo, com destaque para as locadoras e agências de turismo, que apresentaram aumento de 6% em maio, faturando R$ 2,85 bilhões.

METODOLOGIA – O estudo da FecomércioSP é baseado nas informações da Pesquisa Anual de Serviços e dados atualizados com as variações da Pesquisa Mensal de Serviços, ambas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números são atualizados mensalmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), e foram escolhidas as atividades que têm relação total ou parcial com o turismo. Para as atividades que têm relação parcial, foram utilizados dados de emprego ou de entidades específicas para realizar uma aproximação da participação do turismo no total.

*Com informações da Assessoria de imprensa da FecomercioSP

Por Nayara Oliveira
Assessoria de Comunicação do Ministério do Turismo